Metabolismo lento, eu te amo!!

Ao cultivar uma percepção positiva a respeito de como você se relaciona com a comida e com o seu corpo, você começa a fazer escolhas que consideram sempre o seu bem-estar e a sua felicidade em primeiro lugar!

E mesmo aquele “defeito”, que parece ser o nosso maior problema, pode ser visto como um grande presente, pois, é através dele, que podemos perceber o quanto a nossa indivualidade é bela e merece ser valorizada.

Eu tenho o prazer de compartilhar aqui esta declaração linda da querida Juliana Wagner, cliente do programa de coaching individual, que contou um pouco sobre a sua caminhada desenvolvendo um estilo de vida saudável de uma forma muito leve e bem-humorada! Enquanto você lê perceba que talvez você pode sentir que algo que te encomoda muito hoje, pode ser na verdade um grande aliado na sua vida.

Gratidão Juliana, por este depoimento maravilhoso! Fazer parte da sua caminhada é motivo de grande alegria para mim!

“Metabolismo lento, eu te amo!

Quem nunca teve aquela amiga magricela, que podia comer uma panela de brigadeiro e não engordava 1 grama sequer… e ainda reclamava disso? Acho que ter uma amiga dessa é o karma de toda criatura com metabolismo lento assim como o meu. Eu amo minhas amigas magrelas, mas confesso que toda vez que escutava uma reclamação dessas, nossa amizade ficava por um fio!!!! Rs… Gente, só de olhar o pote de açúcar na prateleira eu já engordava. Por isso hoje eu guardo ele num pote preto, dentro do armário, pra não ver mesmo!!!! Rs…

Por ter um organismo preguiçoso, eu me obriguei a mudar meus hábitos. No começo era uma tortura medieval, porque eu não acreditava em comida boa (no sentido de gostosa) e saudável. Ou era boa ou era saudável! Então, comecei a enfrentar os cardápios prontos e ditadores de algumas nutricionistas, que abominavam os carboidratos, as gorduras, os açúcares, os ovos, as carnes… e passei a viver de folha e “alpiste”. Lembro, inclusive, de uma delas me dizendo que eu tinha que evitar legumes à noite porque eles possuem “muito carboidrato”! E ainda me mandava colocar RAÇÃO HUMANA (que nome é esse, minha gente?) na minha única colher de feijão do meu almoço. Agora me diz… como fazer uma criatura criada à base de feijão e arroz entender que não se pode comer mais de uma colher de feijão por dia, simplesmente porque não? A única coisa gostosa do meu dia a dia que eu ainda podia comer um pouquinho, eu era obrigada a estragar com esse “trem” aí. Resultado?

Eu me estressava tanto com todas essas regrinhas de “isso pode” e “isso não pode” que eu mandava tudo pra aquele lugar e enfiava os dois pés na jaca com gosto. Aliás… quem nunca, né? Rs…

Mas o lado bom disso tudo é que entre uma comidinha sem graça e outra, por mais ruins1012931_778978232171950_6728272411804365674_n que fossem na época, eu acabei descobrindo novos sabores e criando novos hábitos também, como o de comer frutas todos os dias. Passando a saborear mais frutas, comecei a prestar mais atenção nos sabores, nas texturas e comecei a me identificar com algumas que eu nunca havia provado antes. Com isso, veio o interesse em saber o que elas têm de bom para me oferecer e passei a pesquisar mais sobre seus valores nutricionais. Quando comecei a pesquisar mais sobre elas tive mais acesso a novas receitas, nutritivas e realmente gostosas, com ingredientes que nunca havia imaginado experimentar. Adentrei num mundo completamente diferente de tudo aquilo que eu já havia experimentado antes e passei a entender o que realmente me fazia bem e o que não valia a pena “investir nas calorias”! Percebi, de uma vez por todas, que é um absurdo cortar certos alimentos da rotina só para poder emagrecer. Quando nos reeducamos, passamos a ouvir mais nosso próprio corpo e entender o que ele realmente precisa, fazendo com que ele entre em equilíbrio sem precisar de muito esforço… e como consequência, conseguimos manter o peso ideal com muita saúde!!!

Graças a este novo estilo de vida, que fui adquirindo aos pouquinhos, hoje eu tenho um verdadeiro prazer em cozinhar para mim e para as pessoas que eu amo. Aprendi a apreciar os sabores mais puros que existem, sem disfarces, sem rótulos. Refinei meu paladar para sentir mais o gosto da natureza e agora eu como assim por amor a mim mesma! Claro que eu não abro mão de comer aquela comidinha mais pesadinha que eu gosto, ou de tomar uma cervejinha com os amigos de vez em quando, mas deixo pra fazer isso num momento em que realmente valha a pena… afinal, certos alimentos podem não ter um bom valor nutricional, mas dependendo da situação eles podem nutrir a alma! Ou seja, também precisamos ter equilíbrio.

Hoje eu olho pra pessoa magra, que “não precisa disso”, e penso que se eu estivesse no lugar dela, jamais teria procurado este novo estilo de vida. Por isso sou tão grata por eu ser assim, toda lentinha! Graças ao meu metabolismo lento eu consegui adquirir muito mais conhecimento sobre saúde e bem estar, passei a praticar mais exercícios, Yôga, meditação e a me alimentar com muita qualidade… e o melhor: a sentir prazer em tudo isso. Graças a ele, eu encontrei a Taísa e, com ela, mais seres de luz que me animam e me incentivam todos os dias!!! <3

A Taísa é a minha professora querida, iluminada, que enche meus dias de novos aprendizados. Ela me ensina tudo que eu preciso para encontrar este equilíbrio em mim (porque apesar de toda minha evolução, eu ainda estou no processo). Ela não só me ensina a comer, como também a abençoar meu alimento, a me sentir feliz com o que eu vejo no espelho. Ela cuida de mim com tanto carinho que só o fato de receber uma mensagem de bom dia dela já me deixa muito feliz!

Gratidão, Prô (Taísa)! Por cada ensinamento, por cada demonstração de carinho, por cada bom dia cheio de energias positivas que transformam meu dia! Você e a Adriana fizeram com que eu percebesse que eu sou a pessoa mais importante do mundo e hoje sou grata a Deus por ele ter me feito assim, exatamente do jeitinho que eu sou!!! 😀

Gratidão, gratidão, gratidão!!!!”

Texto escrito por Juliana B. Wagner, cliente do coaching individual.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *