Como Entender e Atender as suas Vontades com Consciência

Ao longo do dia temos inúmeras vontades não é mesmo?

Pense nas vontades que você teve nos últimos dois ou três dias…

Vontade de falar algo para o parceiro que está entalado há tempos…
Vontade de olhar um filme bem bobinho e chorar com o final óbvio…
Vontade de comer uma panela inteira de brigadeiro…
Vontade de abraçar e beijar alguém que está longe,
Vontade de receber um carinho de quem está perto,
Vontade de jogar tudo para o alto e vender coco na praia, rsrs…
Vontade de mandar aquela pessoa ir para bem longe…

Você já pensou que estas vontades talvez sejam mais do que um simpçes desejo, e podem vir de uma necessidade maior ?

Como saber que necessidade é esta? Será que podemos entender melhor estas necessidades e saber como atendê-las da melhor forma possível?
A questão é que as vontades ou desejos podem apontar a direção para algo mais profundo que precisa de atenção, basta olharmos com mais calma para elas.

Algumas vontades podem surgir de necessidades fisiológicas, como cansaço, sono, calor, frio, fome, mas muitas vontades podem ser necessidades emocionais ou da alma também.
São desejos de vida, de algo que precisa ser equilibrado, porém nós não sabemos traduzir muito bem o que a nossa alma ou o nosso corpo (emoções) está nos dizendo, e por isso acabamos fazendo coisas que não nos alimentam de verdade.
Fazemos o melhor de acordo com a capacidade de interpretação que temos no momento, mas as vezes poderíamos ir além e descobrir o que está nas entrelinhas. Precisamos nos colocar nesta posição de se importar em saber mais sobre nós mesmos, se a intenção é viver melhor, se conhecer é mais do que preciso.

Antes de sair por aí fazendo toda e qualquer vontade (o que é um direito todo seu) e talvez se arrepender ou se culpar por que agiu sem pensar, que tal fazer perguntas para investigar os motivos reais por trás da tal vontade? Vou te contar um exemplo meu que ilustra bem isso.
Outro dia eu estava almoçando com uma amiga em um shopping, escolhemos comida japonesa, eu pude saborear devagar enquanto conversava, foi leve e divertido. Depois de algumas horas, bateu aquela vontade de comer uma sobremesa, e tem um gelatto por lá que eu já conheço por ser maravilhoso.

Neste momento eu lembrei da minha decisão pessoal de evitar ao máximo consumir alimentos industrializados e com açúcar refinado, devido aos efeitos negativos que eles tem na saúde em geral, e me fiz as seguintes perguntas:
“Como eu vou me sentir durante e depois de comer este gelatto? E como eu me sinto agora neste momento?”
As respostas que obtive foram as seguintes:
“Você pode sentir muito prazer nos primeiros 5 minutos, mas depois disso você vai se perguntar por que comeu sem estar com tanta vontade assim, apenas por que viu a lojinha de gelatto na sua frente.” e continuou:
“Você está tranquila, teve um encontro agradável com a sua amiga, precisa do gelatto para quê afinal?

O gelatto ou sorvete para mim traz uma sensação de conforto, pois é cremoso e docinho, e me lembra um pouco a minha infância. Eu comia sorvete poucas vezes quando era pequena, mas quando comia era uma alegria, esta sempre foi minha sobremesa preferida! E ultimamente tenho trabalhado muitas questões da infância na minha terapia e conversas com amigas. Então notei que existia um algo a mais aí nesta vontade!

Eu pensei: “Acho que melhor do que comer este gelatto, vai ser eu fazer um skype para dar um oi para os meus pais e demonstrar meu carinho a eles.” E foi o que eu fiz.

Passei na frente da loja de gelatto me sentindo bem com esta escolha, e fui em frente pois eu sabia que o pedido por um doce na verdade era um pedido por afeto, por um olhar de mãe e de pai. Liguei para os dois quando cheguei em casa, meus pais são divorciados, então falei com meu pai primeiro, pois ele é de poucas palavras. Falei mais tempo com a minha mãe depois e foi muito agradável. Era isso que a minha alma queria de verdade!

As vezes a melhor coisa que podemos fazer é nos perguntar se queremos e precisamos daquilo de verdade.
Eu já estava bem sem a sobremesa. Mas aquela vontade me trouxe a lembrança de que eu queria algo a mais. Eu poderia ter comido o doce e não ligado para meus pais, e tudo estaria bem também, mas eu escolhi encarar as minhas emoções de frente, sem meias palavras.

Para mim foi o gelato hoje, mas poderia ser qualquer outra coisa. Poderia ser uma compra desnecessária, ou uma discussão sem motivos… cada pessoa sabe quais são seus gatilhos. E se não sabe, bora investigar!
O ponto principal aqui é que você sempre pode se questionar e descobrir as reais necessidades da sua alma, das suas emoções e também do seu corpo!
Quando as próximas vontades sugirem, experimente fazer este exercício. Investigue um pouco mais o que está por tráz dos seus desejos, dos seus sentimentos que estão conectados a eles. Este pode ser um bom caminho para você se conhecer melhor, entender seus desejos e atender as suas necessidades com consciência e sinceridade.

 

Gostou deste artigo? Então deixe o seu comentário ou pergunta, escrevo com muito amor para você e saber que estas palavras foram úteis de alguma forma vai ser maravilhoso!

10 thoughts on “Como Entender e Atender as suas Vontades com Consciência

    1. Amiga querida! Que alegria receber a tua visita aqui e saber que gostou da matéria!!
      Gratidão pelo carinho linda!
      Beijos

  1. Taísa,
    Esse texto foi um presente pra mim! Foi uma confirmação do que eu estou tentando fazer. Obrigada pela sua generosidade!!!Um beijão!!

    1. Cris querida!! Que alegria ao ler seu comentário! Foi uma experiência pessoal que imagino que muitas pessoas enfrentam todos os dias.
      Gratidão pelo carinho e vamos juntas!
      Beijos
      Taísa

  2. E você consegue mesmo passar a autoconsciência de se conhecer melhor!
    Parabéns pela matéria.

    1. Gratidão Tulia! Fico feliz que gostou desta reflexão e dicas!
      Se quiser, compartilhe com seus amigos, assim outras pessoas podem refletir sobre isso também!
      Beijos
      Taísa

    1. Oi Vivian querida, que bom saber que gostou tanto!! Gratidão pelo se comentário e pela visita, me enche de alegria!!
      Beijão
      Taísa

  3. Impressionante essa relação da memória emocional do sorvete com a vontade de comê-lo, e ainda mais, a solução que você encontrou!
    Estes dias, numa crise de saudades do Brasil, me entupi de pão de queijo. Fui mais fraca do que a vontade hahahaha
    Mas eu me dei conta de que era isso, mais do que a vontade pelo sabor do pão de queijo em si.
    Incrível! Agora, como não ficar louca pensando nessas vontades e tentando desvendar suas razões reais? Haja meditação flor!
    Estou conseguindo meditar com mais frequência pela manhã, e está me ajudando muito no equilíbrio e produtividade do dia. E também a fazer escolhas mais conscientes. =)
    Grata aos seus ensinamentos e reflexões que me incentivaram a isso! E o de hoje, foi bem especial. Vou fazer um scan das minhas vontades mais frequentes…
    Beijos Tai!

    1. Oi Fer querida! Adoro seus comentários pois eles sempre vão além na reflexão compartilhada! Gratidão!
      Humm pão de queijo é muito bom, e você viu que eu também andei fazendo por aqui rsrs.
      Eu penso que nem sempre precisamos evitar, as vezes a melhor coisa a fazer é apreciar aquela comidinha que estamos com vontade.
      Mas a meditação é sim uma necessidade, algo que precisamos incluir como um hábito assim como o banho, e a resistência aparece pois nosso ego quer sempre ficar como está rsrs. Que bom que você está gostando mais consciente das suas escolhas e está sentindo os efeitos positivos deste equilíbrio!
      Aprendo muito com você também flor, gratidão por compartilhar as suas experiências e continuar a conversa aqui!
      Vai me contando como você vai sentindo as respostas destes scans!
      Um beijão Fer!
      Taísa

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *